sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Comportamento condenável

Como andei um pouco saturada dos desafios HORROROSOS que 2010 me propôs, tive uma série de comportamentos condenáveis, por simples indolência, para provar a mim mesma que ser irresponsável não faz a vida melhor...

O pior é que faz, pelo menos até você ser pego.



Uploaded with ImageShack.us

sábado, 9 de outubro de 2010

De D.H. Lawrance, em Inglês e traduzido, só de catarse...

Meu 15 de outubro está sendo um pouco diferente este ano, queridos. Este foi um ano mais difícil. Só sei que não posso continuar sendo a mesma que fui até agora. Algo irá mudar e com sorte vocês não perceberão.

E como muitas de suas perdas, também não lerão este post.

Este é D.H. Lawrance, mais conhecido por se envolver num escândalo de infidelidade do que por suas poesias. Um escritor e pintor importante, no entanto, mas que precisou dar aulas para sobreviver. Alguns poucos tiveram o privilégio de ter aulas de Inglês com um dos melhores artistas do século - mas os alunos não eram tão diferentes então quanto são agora.

Feliz Dia dos Professores, em 15 de outubro. A nós, que fazemos o possível por esse país.
Nesta data eu me despeço do impossível.


Afternoon in School
Tarde na Escola
The Last Lesson
A última aula
D.H. Lawrance.

When will the bell ring, and end this weariness?
Quando tocará o sinal e minha fadiga chegará a um fim
How long have they tugged the leash, and strained apart
Quanto tempo faz que puxam as coleiras e forçam a esmo
My pack of unruly hounds: I cannot start
Minha matilha de cães selvagens. Não posso iniciar
Them again on a quarry of knowledge they hate to hunt,
outra caça a uma sabedoria que eles odeiam buscar
I can haul them and urge them no more.
Não posso forçá-los e obrigá-los mais.
No more can I endure to bear the brunt
Nem posso mais suportar o peso
Of the books that lie out on the desks: a full three score
dos livros que pesam sobre as carteiras: uma eternidade
Of several insults of blotted pages and scrawl
De tantos insultos de páginas manchadas e rabiscadas.
Of slovenly work that they have offered me.
Do trabalho desleixado que me oferecem
I am sick, and tired more than any thrall
Já estou farto, e cansado mais do que qualquer escravo
Upon the woodstacks working weariedly.
Sobre toras de madeira trabalhando fatigado.


And shall I take
E devo eu
The last dear fuel and heap it on my soul
dar-lhes o último combustível e acendê-lo em minha alma
Till I rouse my will like a fire to consume
até elevar meu espírito como fogo a consumir
Their dross of indifference, and burn the scroll
a imundície da indiferença, e queimar o papiro
Of their insults in punishment? - I will not!
de seus insultos como punição? – Isso, não farei!
I will not waste myself to embers for them,
Não me reduzirei a cinzas por eles.
Not all for them shall the fires of my life be hot,
Nem todo o fogo de minha vida queimará para eles.
For myself a heap of ashes of weariness, till sleep
A mim resta um monte de cinzas de cansaço, até que o sono
Shall have raked the embers clear: I will keep
varra as cinzas para longe das brasas: eu manterei
Some of my strength for myself, for if I should sell
Alguma força para mim mesmo, pois se eu vendesse meu total
It all for them, I should hate them -
a eles, eu os odiaria -
- I will sit and wait for the bell.
- eu vou sentar e esperar o sinal.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

domingo, 5 de setembro de 2010

Mais um vlogueiro genial e os vícios da educação.

Eu amo a internet. Meus aluninhos sabem o que eu passo na sala de aula, nadando contra a maré toda aula. Nunca tive tão poucos alunos, mas posso dizer que nunca tive alunos melhores do que agora. Comer? Almoçar e jantar? Aí é outra história.

Mas vamos parar de choradeira e vamos ver por que está tão difícil ter um aluno preparado para o vestibular depois que ele passa por um primeiro e segundo graus que já sabem o que vem lá na frente.

Denis Lee dá um passo atrás, sobe na mesa e olha o sistema educacional como um todo - só para me matar de pânico.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Fé Demais e Fé de Menos

Minha amiga descobriu, como muita gente que viver sem fé é como andar sem pernas e sem braços. Tem gente que até vive com a deficiência, mas não é fácil.
Para variar, foi justamente o Sermão de Cazalbéto, Reverendo Arcediago e muito tietado, que me inspirou a fazer o post e pensar sobre o assunto. E como uma boa seguidora da Lei de Murphy, foi justamente o sermão que eu não gravei...

Mas não vou me alongar muito. Vou só lembrar algumas histórias de fé que são boas alegorias para as milhões de faces de um troço tão vital para mim.


Essa é muito velha e eu acho que já contei aqui, mas vale a pena ouvir de novo:
"- João! Olha a água da enchente subindo. Entra no carro e vamos embora!
João nem se mexeu:
- É Deus quem vai me salvar! Não há de me acontecer nada.
E a água subindo...
- João! Sobe no jegue que os carros não estão passando mais. A água tá subindo.
- É Deus quem vai me salvar! - Diz João em cima da cadeira.
E a água vai subindo...
- Joãããão! Sobe na carroça que ainda tem lugar!
- Eu, não... É Deus quem...
- ... Então fique, sua besta! - e o resto do pessoal da carroça deu no pé, ou nos cascos do cavalo.
E a água subiu. João do telhado viu o helicóptero chegando.
- O senhor não se assuste. Vamos jogar a escada para seu resgate! Por favor, tente agarrá-la.
- Não precisa. Podem ir embora. É Deus quem vai me...
E lá se foi casa, João, árvore e tudo água abaixo.
Como todo homem de fé, João foi ao encontro do Criador. Porém, estava decepcionado:
- Eu acreditei tanto, e o Senhor não foi me salvar!
Deus suspirou, com uma paciência de Jó - que estava lá perto.
- João, eu mandei um carro, um jegue, uma carroça e um helicóptero! Você não pegou porquê, seu imbecil!!!"

E o Brasil é assim mesmo, cheio de diferenças. Se na terra de João chove demais, na de Severina é diferente.


"A classe de senhoras de uma igreja no Sertão resolveu organizar uma corrente de oração para pedir a Deus que acabasse com a seca e trouxesse um pouco de chuva. E lá vem a véia Severina com o guarda-chuva debaixo do braço.
- Tá doida, mulher? - foi a primeira coisa que ouviu.
- Ó, gente, eu não tô indo pedir chuva a Deus?"

Enquanto isso, aqui no Rio:

"Num passeio do pessoal da Igreja estava um missionário americano e uma irmã que tinha uma tremenda atração por altura. Os dois e mais um pessoal resolveram subir a Pedra da Gávea. A irmã que gostava de alturas ficou bem na beiradinha, sentindo a atração do vazio:
- Ai, dá até vontade de me atirar daqui de cima.
O americano se meteu:
- Não faça isso porque com certeza irá se machucar.
A irmã, que era uma dessas malucas que resolve disputar a afeição de Deus como quem disputa a atenção do rapaz bonito da escola retrucou:
- E você duvida que Deus tem poder para me salvar da queda se eu me jogar daqui?
O missionário nem piscou:
- Claro que não! Mas para te salvar, Deus precisaria revogar a Lei da Gravidade por alguns minutos. Tudo o que está assentado iria perder o chão, o mundo perderia a firmeza e os planetas se chocariam um contra o outro - tudo por causa da sua vaidade! Eu acho que nesse caso, Deus iria preferir deixar você se esborrachar lá embaixo."
A fé não costuma falhar, mas a gente costuma se confundir em relação a ela. É melhor sentir e pronto, sem entender mesmo. E vamos levando...

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Furr

Soube no blog de uma amiguinha que esta mesma música que me fez sorrir, fez a menina chorar...
Acho que nossos sentidos têm muito mais a ver com o que achamos que é realidade do que imaginamos.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Depois do Ficha Limpa, Floresta plena.

Depois do fenômeno do Ficha Limpa, que muita gente continua enchendo o saco de que não vai servir para nada, eu estou criando o hábito diário de lutar por um objetivo.

Não que Tia Patrícia não esteja engajada. É só ler meus posts anteriores. Mas a grande questão do pessoal do Ficha Limpa é: e agora? Vamos continuar o exercício de cidadania? Vamos voltar para a sala e assistir o jornal? Vamos procurar algo de útil para fazer?

Bom, eu sou professora e não tenho mais dinheiro para assinar TV a cabo. Então, não tenho novela nem jornal para assistir. E, agora, tenho mais tempo para me engajar. Então, hoje eu falo mais uma vez das florestas.

Este vídeo não serve tanto para a campanha. Eu acho que a Europa nos faria um favor muito grande boicotando a madeira brasileira. 90% da nossa extração de madeira é ilegal. Alguém está comprando isso. Eu não vejo jacarandá desde pequenininha! Mas o vídeo serviu para ver como os filhos da Diana estão lindinhos. O Harry é muito fofo, gente. Ele sempre parece que vai aprontar alguma.


Mais contundente no entanto foi o apelo da vida inteira de Dorothy Stang. Ela lutava pelo Projeto de Desenvolvimento Sustentável. Mais do que fechar a torneira, usar um grampo a menos no escritório, não usar ar-condicionado ou calefação é moralizar o norte do país. Isso aí é o Pará depois do ano 2000!!! O último acusado foi para cadeia outro dia, mas os culpados estão soltos. Os culpados não são somente os grandes fazendeiros, não. O maior culpado é a ignorância.

Esse documentário tinha que ser obrigatório nas escolas, mas o foco não pode ser o horror da morte dela, mas o exemplo de vida e de trabalho que Dorothy deu, e que precisa continuar.




Dorothy era ODIADA pelos trabalhadores rurais que ganham uma miséria. Ela lutava pela agricultura de subsistência e pela preservação da terra. Uma área equivalente a 8 estádios de futebol de floresta desaparece todo dia para dar lugar a pasto. NÃO É PELAS VACAS! Parar de comer carne não vai mudar NADA! O proprietário precisa provar que a área é produtiva e coloca a mimosa lá! Ela não precisa virar churrasco.

A questão é a reforma agrária. Cortar árvore e caçar não são pecados se são feitos conscientemente. A superpopulação de animais TAMBÉM é nociva ao meio ambiente, pôxa! Se para cada árvore derrubada três fossem plantadas, não haveria drama. Mas a área precisa virar pasto para GARANTIR A POSSE DA TERRA.



O povo pode mudar isso. Só que uma viagem a essas terras pode ser uma trip horrorosa. Ir a Manaus e ver que ainda tem gente matando boto a pancadas porque o bicho "rouba o peixe da gente", ver um trabalhador no Pará dizendo que não poder derrubar árvore é "ridículo" e ver um morador de favela no Rio de Janeiro dizendo que a proteção da floresta urbana "não ajuda o pessoal daqui em nada" é embaraçoso. A gente vê que lutar contra o poderoso não adianta nada, não porque ele seja forte demais, mas porque os colaboradores dele são muitos e estão aqui do lado.



O povo tem um poder danado. Pode ser usado de forma egoísta ou não. O muro acabou "pulável" e os negócios no mato vão continuar.

Dorothy não era inocente. Ela sabia que era contra o próprio povo que ela lutava. O rapaz que descarregou a arma nela fez o que fez por cinquenta reais e disse: "Se a senhora não mudou nada até agora, não vai mudar nada mesmo." e sem saber, ele fez algo mudar.

Não tem mais Dorothy. Agora é com a gente.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Ah, droga!

Blogs são feitos para isso, eu acho. Quando um pensamento ganha uma força maior na cabeça e não tem ninguém por perto para refutar, endossar ou até ignorar o que você está pensando. Agora, nesse momento em que eu realmente preciso fazer uma faxina no apartamento, eu penso no que realmente é importante na vida. Acho que isso dá uma ideia de como eu odeio faxina e nenhuma ideia do que eu realmente entendo como vida.

Já conheci gente à beira da morte, já conheci gente que estava marcado para morrer e já conheci gente que escolheu morrer. Os que mais me chocaram foram os que morreram sem saber que iriam morrer - e eles são a maioria.

Oh, sim, ela vai trabalhar todo dia. Toda noite também. Ela atende 24hs.

Foi uma simples pergunta: "Como vão as coisas?"
Eu disse: "Bem".
Houve uma pausa e depois: "Mesmo? Como é que estão as coisas MESMO?"
Eu me apressei em mudar de assunto. Era cobrança. Não de Cartão de Crédito ou Banco, mas de pessoas bem intencionadas esperando que minha vida faça algum sentido, tenha algum rumo ou que se sustente emocional e financeiramente.

Já imaginou?: "Vai tudo mal e eu não tenho a menor ideia de quando vai melhorar. Quer saber? Eu não acho que eu seja inteiramente responsável por isso. Existem fatores que eu não controlo. Eu tentei o melhor, sabia? Eu tentei até o que eu não queria. Imagine se eu estivesse nessa situação porque segui o conselho de outras pessoas, inclusive o seu? Eu sempre fiz o que quis e isso não me levou ao topo do mundo. Eu nunca quis o topo do mundo, eu sempre quis ser eu mesma. Sabe por quê?".

Sabe gente? Porque isso pode ser um seriado de TV, mas essas coisas acontecem.




Uma garota chamada George estava andando por aí. Ao mesmo tempo o assento sanitário que uma estação espacial entrou na atmosfera após a destruição da mesma. A maioria das partes da estação caiu no Pacífico, mas o assento sanitário caiu em George.

Mesmo antes da série ir ao ar, lá em 2003, eu sempre contei com o assento sanitário flamejante para dar o devido valor ao que acontece na minha vida. Respondendo à pergunta: "As coisas vão bem". Na hora que a bola de fogo cair em cima de mim, eu não vou ter tempo para pedir desculpas a quem eu não pedi, dizer que amo a quem eu realmente amo, mas preferi ficar calada ou cantar canções que eu não cantei. O que 89% das pessoas falam antes de virarem paçoca é pouco poético.

Ah, merda!

Talvez eu diga "droga" se eu lembrar que sou uma dama.
Acho difícil.

domingo, 2 de maio de 2010

Projeto Ficha Limpa: Para manter na lembraça

O projeto Ficha Limpa ainda precisa de participação popular, mas continua indo em frente - não tem tantos seguidores quanto à Igreja Universal, mas os trezentos de Ipanema devem bastar.

Já que memória curta não faz bem para a política, vamos lembrar de um fato interessante que aconteceu há alguns dias.



Para que o projeto Ficha Limpa fosse votado na Câmara a tempo de valer para as eleições de outubro, era preciso que a votação saísse até o dia 29 de abril de 2010. Tais cavalheiros fizeram um pedido de vista, preocupados com o caráter inconstitucional de uma lei que proíbe pessoas condenadas pela justiça de lançarem-se como candidatos a cargos públicos, conseguindo, assim, imunidade parlamentar. Caso fosse concedido, o projeto estaria automaticamente adiado. Que estes senhores fiquem em nossos corações em todas as eleições futuras.

Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

Mauricio Quintella (PR-AL)

Ernandes Amorim (PTB-RO)

Vicente Arruda (PR-CE)

Regis de Oliveira (PSC-SP)

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Como falar com operador de telemarketing:

Tudo bem com o senhor?

Essa quem mandou pro twitter e eu roubei para cá foi o genial Maurício Ricardo. O mais genial ainda, Bemvindo Sequeira fez esse sketch. Sensacional. Boa ideia também...

sábado, 17 de abril de 2010

Combater a má educação, como?!

Meus amores, aluninhos queridos, fica muito difícil não odiar vocês do fundo do coração quando isso aí acontece. Felizmente não tenho aluno "bully". Se é pra ter algum terrorista na minha sala, que seja EU.



Lembrança para meus alunos mais novos: TEM UM XERIFE NA CIDADE!

Ps: Passei por uma Escola Particular de ensino primário e tive a impressão de circundar os portões do inferno. Nenhum de vocês é assim! Titia se faz de durona, mas vocês são o melhor do melhor. Virtuosos por opção própria numa sociedade que protege a criança e adolescente em suas piores atitudes, e é burra demais para impor respeito e limites sem teorizar sobre o assunto por vinte anos. Nenhum de vocês dá trabalho e eu amo a todos.

Ps2: Ajam de maneira diferente e eu esmago qualquer traço de autoestima, autoconfiança e otimismo que vocês possam vir a ter, mesmo em doces lembranças de seu passado.

Ps3: São vinte anos dando aula. Claro que eu sei fazer isso sem deixar provas.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Relato de um Derrame

Jill Bolte Taylor teve uma oportunidade de pesquisa que poucos cientistas cerebrais desejariam: ela sofreu um grave derrame, e observa enquanto suas funções de movimento, fala e autoconsciência entram em falência, uma a uma. Uma história incrível.

Para a legenda em português, clique em "View subtitles" e escolha Portuguese (Brazil).



A fonte está neste site. No próprio site há uma transcrição do discurso de Jill Taylor.
As traduções e legendas estão em várias línguas. Certamente uma mensagem que vale a pena transmitir.
http://www.ted.com/talks/lang/eng/jill_bolte_taylor_s_powerful_stroke_of_insight.html

quinta-feira, 18 de março de 2010

Emenda Muito Oportuna

E aí eu botei a cabeça para funcionar...

Terrorista?! Eeeeeeeeeuuuuuuuu?

Como é que alguém que não nasceu na política ontem pode achar que o Presidente, ou o Senado, podem passar um projeto de lei com uma emenda que redefine o significado de royalty.

O negócio é que Ibsen Pinheiro é do PMDB. O Lula tem lá a candidata dele. Está tudo começando a andar antes das eleições, mas ainda não começaram as campanhas. A Dilma jura que não começou campanha e lá está o Lula andando com a Dilma para cima e para baixo. Por si só, Dilma não significa muita coisa - ela é a candidata da situação (que pra variar, desta vez é o PT).

Ora, democracia é uma coisa maravilhosa assim: se estão oito amigos na mesa do bar e resolve-se propor uma emenda ao "racha" na conta: o Zé Roela vai dar para todo mundo o dinheiro para cada um pagar sua parte da conta. Veja bem, ele não vai pagar sozinho, ele só vai distribuir o dinheiro para os amigos pagarem. O Zé não gosta, mas a emenda é posta em votação. Os amigos do Zé (e da onça) são sete, o Zé é um só. O Zé é voto vencido, não tem jeito. Venceu a maioria.

Ora, é o tipo de votação que a gente já sabe o resultado até mesmo antes de propor. O negócio é ter fé que os amigos da mesa são todos uns cretinos. Na mesa de bar é possível que isso não dê certo, mas na Câmara dos Deputados não há erro!

Como assim, "viajar"?! Não! Volta aqui!

E o Lula viu esse troço chegando. O mensalão ele não viu, mas eu garanto que ele viu isso! Ele só foi para o Oriente Médio porque era um lugar mais seguro para ele do que Brasília. Aí ele chega pro coitado do líder do Senado, Romero Jucá, e fala:

"Companheiro, eu vou ali e já volto. Quando eu voltar quero ver tudo isso conciliado, falou? Tchau! Fui!"

Lula, com muita propriedade, já declarou que ano eleitoral não é hora de discutir distribuição dos royalties. Afinal, por que a urgência se o pré-sal só vai começar a dar dinheiro lá pra 2020?

Porque, supondo que essa lei passe, ele perde os votos de, pelo menos, 90% da região sudeste. Ele não, a Dilma. É muito voto. É o tipo de perda que só seria aceita por um candidato muito carismático. Não é o caso.

Aí ele veta o projeto de lei que, lá em 2009, foi proposta dele mesmo. Só que o Presidente visava ver a distribuição dos lucros da camada pré-sal recém descoberta e que vai dar muito dinheiro. Claro que Rio de Janeiro pulou, porque isso já feria a definição de royalties. Saiu matéria dizendo que "Lula cedeu à pressão de Estados produtores de petróleo".



Royalties não são imposto, são uma compensação pela trabalheira que dá ficar catando petróleo por aí, cuidando de manter a segurança dos empregados, cuidar dos riscos que uma exploração dessa causa à natureza e afinal de contas o troço tá aqui na frente da gente. De quem é a responsabilidade se der tudo errado?

Bom, aí o cara chega, propõe um peido na farofa desses e pede urgência em um assunto delicado para caramba. Um Presidente com juízo precisa vetar a coisa, porque não é assim que se decide um troço desses. Aí Ibsen está livre para berrar para o país inteiro que Lula TIROU o dinheiro do pré-sal dos estados mais pobres e deixou os royalties com o Rio de Janeiro que "já tem vista para o mar". José Serra tá quietinho.

Muito certa, a atitude de Lula. Foi visitar o Oriente Médio para ver como é que se lida com terrorista - porque se isso não é terrorismo político, eu não sei o que é.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Índio Já tem Apito, Agora Quer Notebook.

Gente, eu achei isso o máximo..




"Quando a gente usa qualquer coisa para o bem, você não muda seu espírito, você não muda suas raízes, você não muda sua história. O que define você ser a pessoa que você é, é sua cultura, sua história e como você vai fazer isso acontecer."

segunda-feira, 15 de março de 2010

Vendo o Rio pegar fogo.

Apesar de ter gente rindo da nossa fratura exposta, vai aí o vídeo do discurso de Sérgio Cabral.







Dos setenta deputados federais de São Paulo, 21 votaram contra a emenda - por um motivo ou outro. Apenas um do Paraná votou contra a emenda. Talvez eles tenham resolvido não se queimar numa emenda anticonstitucional, que não tem jeito de passar no congresso, ou sabem que quebrando um Estado, quebra o país todo.

De qualquer jeito, vamos aprendendo o endereço do site da Câmara dos Deputados
http://www2.camara.gov.br/

... e vamos aprender a tomar conta de quem votou em quê. Claro que pra isso a gente vai ter que lembrar em qual deputado a gente votou, tá?

A quem interessar possa, os únicos deputados que não eram cariocas ou capixabas que votaram contra essa emenda assassina foram estes. O resto dos 379 só ouviram a frase: "Quem quer dinheiroooooooo?"

Guilherme Campos DEM - SP
Milton Vieira DEM - SP
Marcelo Almeida PMDB - PR
Paulo Maluf PP - SP(Ele mesmo! Votou contra esse troço, verdade seja dita.)
Arnaldo Jardim PPS - SP
Márcio França PSB - SP
Antônio Carlos Mendes Thame PSDB - SP
Arnaldo Madeira PSDB - SP
Carlos Sampaio PSDB - SP
Ricardo Tripoli PSDB - SP
Cândido Vaccarezza PT- SP
Carlos Zarattini PT - SP
Devanir Ribeiro PT - SP
Janete Rocha Pietá PT - SP
Jilmar Tatto PT - SP
José Eduardo Cardozo PT - SP
José Genoíno PT - SP
José Mentor PT - SP
Paulo Teixeira PT -SP
Ricardo Berzoini PT - SP
Arnaldo Faria de Sá PTB - SP
Paes de Lira PTC - SP

Vamos crescer como votantes, gente. A alienação traz consequências horríveis.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Liberdade Total



O Dalai Lama criticou o governo Chinês por tentar "aniquilar o budismo", dizendo que os monges budistas no Tibet vivem de maneira análoga a prisioneiros.

A China se irritou com as calúnias e reafirmou que qualquer Chinês tem a liberdade de praticar qualquer religião que queira...

... desde que a religião seja legalizada.

Eis o despertar da Nova Era: os tiranos estão ficando mais engraçadinhos.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Greve de fome e de besteira

Em declaração à Associated Press o Presidente Lula abriu sua boca enorme para dar sua opinião "madura" e "totalmente capaz de opinar em assuntos internacionais" de que os presos políticos cubanos não devem receber atenção a mais por fazerem greve de fome. "Afinal", disse o presidente, "imagine se todos os presos de São Paulo também resolvessem fazer greve de fome para ganhar a liberdade?"



O PT disse que o presidente se expressou mal e a oposição adorou que ele abrisse a boca para dar mais um tiro no pé (da Dilma).

Ou o Lula não entende a diferença entre bandido e preso político, ou não sabe o que é greve de fome.

Orlando Zapata morreu depois de ficar 85 dias sem comer em protesto às condições de detenção dos dissidentes políticos condenados a 28 anos de prisão. Já o Governador afastado do Distrito Federal não quer ficar nem 12 horas sem comer para fazer exame de saúde com seu médico particular. Cada país tem os presos que merece!

Eu proponho ao presidente Lula e seus amiguinhos, Huguinho, Raulzinho e Mahmoudzinho que façam greve de falar besteira. Lulinha deve passar 80 dias - muito! Sete dias, já basta! - sem elogiar o governo de tirano nenhum. Huguinho deve passar sete dias sem mandar Deus resolver os problemas de energia da Venezuela. Raulzinho não vai dizer que a morte do Zapata foi culpa dos EUA (!?) para mais ninguém e Mahmoudzinho vai ficar sete dias quietinho, sem dizer que quer aniquilar Israel, mas que o Urânio do Irã não é pra fazer bomba.

Vamos ver se eles têm um décimo da fibra do Zapata.

terça-feira, 9 de março de 2010

Guerras para fins pacíficos.


Lula criticou a posição dos Estados Unidos e declarou que as sanções ao Irã são perigosas e podem gerar guerra. Lula disse ainda que o Brasil tem "autoridade moral e política" para discutir a questão do programa iraniano, porque está "comprometido com o uso de energia para fins pacíficos".

Lula não explicou como é que o "uso de energia para fins pacíficos" pode "gerar guerra" devido à sanções, mas tudo bem.

A posição de Lula não difere muito da do governo do Rio de Janeiro, que se baseia em "deixar os caras se armarem em paz ou eles atiram".

segunda-feira, 8 de março de 2010

Engole essa EUA!



A Organização Mundial do Comércio garantiu ao Brasil o direito de retaliar os Estados Unidos por seu subsídio à indústria de algodão. O que aconteceu é que o governo de lá resolveu ajudar os produtores de algodão a não aumentarem os preços - impedindo assim que o Brasil e outros países possam "cobrar um preço justo pelo seu algodão".

Quando os comerciantes brasileiros viram a possibilidade de aumentar preços podada, mostraram as garras e prometeram vingança. Ou os Estados Unidos retira a ajuda a seus agricultores, ou o Brasil vai aumentar o preço dos importados americanos para o consumidor brasileiro! De cara está resolvido aí o problema mais sério: o comerciante brasileiro vai conseguir sua dose de aumento para manter seu vício de inflação.

Mas o governo já avisou que não vai aumentar o imposto sobre os produtos mais essenciais, assim o consumidor brasileiro não vai sofrer muito. Só aumentam os preços dos remédios, alimentos e produtos de higiene pessoal, entre outras besteirinhas.



Os Estados Unidos têm 30 dias para fazer uma proposta que evite estes aumentos ou terá que sofrer a consequência de seus atos.

Para quem estiver curioso, a consequência é ver o povo brasileiro amargar uma alta de preços em produtos que o governo jura que são supérfluos. Enquanto isso o povo americano também deve amargar as consequências da intransigência de seu governo. Vamos ver como as americanas vão se virar tendo que fazer depilação com as alemãs e japonesas.

Ps: Moro no Rio e nunca achei que seria vítima de uma bala perdida vinda de tão longe.

domingo, 7 de março de 2010

Uvas verdes...


O presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad declarou que os ataques ao World Trade Center, que ocorreram há quase dez anos foram, "uma grande mentira" e nada mais que uma "desculpa para justificar os ataques dos EUA ao Afeganistão". Segundo a CNN, Mahmoud Ahmadinejad já havia declarado não reconhecer o Holocausto como uma tragédia, mas sim um trabalho mal feito.

Vamos esperar que isso seja apenas despeito, porque se Ahmadinejad acha mesmo que consegue fazer melhor do que os caras que ele está criticando a caca vai ser muito grande!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Deixem o Lula viajar!!!


Recebi outro e-mail reclamando do dinheiro que o presidente está gastando com suas viagens. Pessoal, pensem no custo-benefício, por favor!!!

Alguém aí acha que ele estaria fazendo um governo melhor se ficasse o tempo todo trabalhando por aqui?!